A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores.

A eles o meu muito obrigada, pela informação e pelo aprendizado!

Abençoados sejam todos!


Pesquisar neste blog

Carregando...

terça-feira, 29 de março de 2011

Planetas

Texto: Rafael Lima

Planeta quer dizer astro errante e é fundamental na análise astrológica, pois indica como cada uma de suas funções opera: de que maneira, onde – em que circunstância da vida – e como. E isso diz muito de sua maneira de entender e funcionar no mundo.
Os planetas representam pessoas, motivações, eventos, dependendo da análise astrológica que está sendo feita. Assim, o Sol representa o rei, o poder central em uma análise de astrologia política. Mas no plano individual, simboliza a vontade criadora e o sentido de ação da pessoa.
Existem sete corpos planetários tradicionais: Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Os cinco planetas que compõem este esquema antigo podem ser vistos a olho nu. Cada um desses sete corpos simbolizam planos de manifestação de tudo o que existe, como exemplificado acima, o que torna complicado e delicado o trabalho de decodificação simbólica de cada corpo celeste.

Simbolismo planetário
Abaixo, você encontra os significados de cada um dos sete corpos celestes, relacionados com a pessoa e sua vida.


Sol: vontade criadora, ação, senso de integridade pessoal, impulso maior de realização, espírito. O pai, o marido no seu aspecto de comandante, o chefe. O coração, a visão.

Lua: sensibilidade para com o meio-ambiente, senso de sobrevivência, alimentação, corpo. A mãe, a esposa no seu aspecto de suporte. Também o passado e os distúrbios funcionais orgânicos.

Mercúrio: funcionamento da mente, raciocínio, destreza manual, capacidade de expressão. Pequenas viagens. Os irmãos, mas também o médico, o remédio, o astrólogo, a forma de estudar e aprender.

Vênus: gostos, atratibilidade, amor abnegado, senso de beleza, valores pessoais, luxo, conforto, sensualidade, senso estético, harmonia, ritmo. As artes. Figuras femininas: a mãe em seu aspecto de valorização da beleza física e hábitos sociais, a amante, a irmã. A garganta, os rins.

Marte: impulso de auto-afirmação, senso de identidade, combatividade, sexualidade. A espada, que separa e corta. O marido no seu aspecto de amante, o rival em uma guerra ou nos negócios, o cirugião, a luta pela carreira. A guerra. O sangue e os músculos. Orgãos sexuais e reprodutores.

Júpiter: expansão, sentido de vida, capacidade de síntese, bens e prestígio, sorte, crescimento, otimismo. Os avós, a autoridade espiritual que se segue, a justiça protetora. A graça divina. O fígado.

Saturno: senso de limite, a disciplina, sentido do dever, a função social, os medos. A justiça punitiva, a polícia, o fisco, o presente. Os ossos, os dentes, a coluna vertebral.
= = = = = = = = = = = =

Os planetas transaturninos
No século 18, Urano foi descoberto. No final do século 19, Netuno foi avistado pela primeira vez e finalmente Plutão foi detectado nos céus durante os anos 30 do século 20, mas já foi destituído da posição de planeta há algum tempo, apesar de continuar sendo considerado um astro importante na Astrologia.
Cada um desses planetas descobertos recentemente referem-se à coletividade, as mudanças tecnológicas e o impulso para a experimentação, invenção, liberdade individual (Urano), utopias coletivas, remédios, derivados do petróleo (Netuno) e movimentos autoritários que visam o controle total de um grupo ou país, os oligopólios internacionais e as pesquisas genéticas (Plutão).
Os astrólogos decidiram isso em função da época em que esses planetas foram primeiro avistados e o que acontecia na sociedade quando isso ocorreu, pois seguem a norma de que o que está em cima é igual ao que está embaixo, como escrito na Tábua de Esmeralda, antigo documento alquímico.
Planetas e suas regências ou forças
Cada um dos planetas rege, tradicionalmente, dois signos: um diurno e positivo, ou seja, masculino; outro noturno e negativo, ou seja, feminino. Isso quer dizer que os planetas têm maior autonomia e funcionam melhor em determinados signos. O contrário também acontece. Em alguns signos os planetas comportam-se natural e espontaneamente, como se estivessem vestindo uma roupa que não impedisse a liberdade de movimentos e o conforto de seus gestos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário