A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores.

A eles o meu muito obrigada, pela informação e pelo aprendizado!

Abençoados sejam todos!


Pesquisar neste blog

Carregando...

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Instrumentos Mágicos

(confeccionados com madeira e ervas)

(De acordo com uma antiga crença, as melhores substâncias para se fazer instrumentos são aquelas que um dia tiveram vida, em oposição às artificiais. Sendo assim, a madeira e o marfim são materiais mais apropriados para uma varinha do que o metal, que serve muito bem para confeccionar espadas ou facas. Para talismãs, etc., o pergaminho virgem é melhor do que o papel manufaturado. E objetos feitos à mão são muito bons, pois eles têm vida. – Gardnerian Book Shadows)

1. O Bastão

(Os objetos cerimoniais entalhados, como os bastões rituais, feitos de madeira, são uma tradição que os pagãos contemporâneos herdaram dos homens e mulheres sábios d Antiguidade. Ao confeccionar um desses objetos, estará fazendo um instrumento ritual com uma história de milhares de anos e resgatando o seu papel sagrado nas práticas mágicas e religiosas. – Eleanor & Philip Harris, The Crafting & Use of Ritual Tools)

O Bastão é um Instrumento Mágico mais importante da Bruxaria, pois ele também pode traçar os Círculos Mágicos, além de desenhar símbolos sagrados no chão, no ar e direcionar a energia. Bruxos não gostam de usar frequentemente o Athame, usam um Bastão como substituto. Ele representa a força, à vontade e o poder mágico de quem o usa. É um símbolo mágico do Deus.

Há Bastão de vários materiais, mais o “material clássico” ainda é a madeira e assim ele assume a forma de Vareta Mágica. Várias madeiras têm diferentes usos e associações mágicas.

Para se ter um Bastão ou Vareta Mágica basta colher o galho de uma árvore e corta-lo na mesma medida que tem o cotovelo do braço direito (para os destros) ou esquerdo (para os canhotos), até o dedo médio da mesma mão, pois esta é a medida mágica da pessoa ou bruxo.

Além disso, é imprescindível escolher uma árvore que esteja em ressonância com a finalidade para qual a Vareta Mágica será usada. E deve ser feita pelo próprio dono.

As melhores madeiras para a confecção da Vareta são: o carvalho, o freixo, a sorveira brava, o espinheiro, o sabugueiro, a acácia, a aveleira e o loureiro, já que podem seu usadas para todas as finalidades.

O bastão merece ser bem decorado e marcado com sinais ou sigilo mágicos.

2. O Burril

Instrumento parecido com a faca de cabo branco (faca utilizada para entalhar símbolos em outros instrumentos, para marcar velas e outros itens e para qualquer tipo de corte ou entalhe). O burril é usado para marcar objetos como velas. Trata-se de uma ferramenta pontuda, parecida com um furador. É especialmente usado na magia com velas.

Para fazer um burril, basta apenas um pedaço de madeira como cabo e pregar ali um prego. Depois cortar a cabeça do preço e afie a extremidade num esmeril. O cabo pode ser decorado ou entalhado a gosto.

2. A Colher de Pau

Utilizada para mexer as poções, os filtros, unguentos, banhos e todas as coisas que são preparadas no interior do caldeirão, pois a madeira é um elemento natural neutro.

A colher é o símbolo da união e da vida e muitos bruxos a utilizam como um bastão de poder, com o qual exorcizam as energias negativas, abençoam os alimentos e traçam o Círculo Mágico em volta do fogão.

3. A Estaca

Representa o Deus Cornífero, e por isso o dono da Estaca é simbolicamente representado como o descendente direto do Deus.

A Estaca é feita do galho de uma árvore que se dividida em duas ramificações, como um estilingue, e deve medir cerca de 1,60m a 1,70m.

A árvore escolhida para se fazer a Estaca geralmente é o freixo ou o loureiro, e a pessoa que irá utilizar a Estaca é quem deve cortá-lo no período da Lua Cheia com a faca purificada e consagrada. Quando cortar a Estaca, colocar uma moeda entre as raízes da árvore da qual foi retirado o galho, como forma de pagamento simbólico.

A Estaca de freixo ou louro serve para todos os rituais, porém todo Bruxo deve possuir, além da Estaca, uma outra de uma árvore chamada abrinheiro (arbusto europeu da família das rosáceas).

A Estaca de abrunheiro é usada para proteger dos feitiços e bruxedos maléficos lançados contra o Bruxo. Ela raramente deve ser usada e invocada nos trabalhos mágicos, pois tudo que é emitido aos outros, seja bom ou ruim, volta triplicado para a pessoa que emitiu.

No entanto, a Estaca de abrunheiro pode e deve ser utilizada para neutralizar os efeitos dos sortilégios negativos enviados por outras pessoas. É importante limitar a utilizar a Estaca para esta função, ou seja, quando a pessoa sentir que alguma energia maléfica está atuando em sua vida, com a finalidade de trazer complicações, usar a Estaca de abrunheiro em um ritual d petição aos Deuses Antigos, rogando-lhes para que exterminem, transmutem e neutralizem as energias negativas que estejam atuando sobre a pessoa.

A Estaca deve ser consagrada e purificada de preferência entra a Lua Crescente e a Cheia. Porém, no final do ritual de consagração, a Estaca deve ser consagrada e calçada com um ferro, fixando-se um prego em sua base, com intuito de reter o poder energético. Dizendo algo como:

“Com este prego preservo os poderes que foram passados a esta Estaca. Pelos sagrados nomes da Deusa Tríplice e do Deus Cornífero que esta Estaca seja um elo entre mim e os Deuses Antigos. Que assim seja e assim se faça.”.

4. O Óleo Mágico

O óleo mágico usado nos rituais tem como base o azeite de oliva símbolo da sabedoria. É ele quem purifica de maneira simples tudo que se usará nos ritos mágicos. (Vide item azeite)

Mas pode ser também óleo de milho, ou outro mais fácil de encontra e de preferência o mais puro possível.

Poderá também optar pelos óleos aromáticos que são encontrados facilmente nas lojas especializadas ou fazê-los. Usar óleos aromáticos em sintonia com as intenções do ritual escolhido:

Rituais para amor: óleo de rosas;

Rituais para dinheiro: óleo de almíscar;

Rituais para saúde: óleos de lótus; e assim por diante.

Antes de se iniciar um ritual ou sortilégio, pingar algumas gotas de óleo nas mãos e esfrega-las, uma na outra, até esquentarem. Quando elas estiverem quentes levanta-las aos céus e imaginar uma forte luz branca entrando nas mãos e percorrendo todo o corpo, iluminando-o.

Também, deverão ser untados os Instrumentos e utensílios que serão utilizados no ritual com óleo mágico.

4.1. O Óleo de Unção

Usado basicamente na dedicação ou auto dedicação, iniciação ou auto iniciação.

Encher um frasco de vidro pequeno com folhas de menta frescas. Existem vários tipos de menta, mas a erva-dos-gatos (Nepeta cataria) é a mais indicada. Despejar azeite (de preferência azeite extra-virgem de ótima qualidade) no frasco até cobrir as folhas de menta e tampar. Deixar o frasco num local seco e fresco durante 24 horas, virando-o de ponta-cabeça a cada 6 horas. Depois do período de 24 horas, despejar o conteúdo do frasco numa tigela, coando-o com uma gaze. Encha mais de uma vez o frasco com folhas de menta fresca e volte a despejar ali o conteúdo de tigela. Tampe-o e volte a guarda-lo num local fresco e seco, virando-o cada 6 horas. Repita todo esse processo pelo menos umas três vezes, usando o mesmo óleo, mas renovando as folhas de menta. Depois disso, volte a côa-lo e guarde o líquido no frasco.

5. O Pentáculo

O Pentáculo representa os poderes do elemento Terra ou colocado sobre o altar no ponto cardeal Norte. Está associado ao Inverno.

O Pentáculo é usado para representar as energias telúricas e prender os espíritos pertencentes ao elemento Terra.

A Tradição diz que se o Pentáculo for de madeira ou argila deve ser feito pelas mãos do próprio Bruxo.

O Pentáculo deve ser usado quando for ser realizado sortilégios que utilizem ervas, pedras, raízes, folhas e todas as coisas provenientes da terra. Para tal, consagrar os elementos que irão ser usados através do Pentáculo invocando sua força e o seu poder mágico.

6. A Varinha

Muitos bruxos – especialmente os solitários – veem a varinha como uma alternativa ao athame.

O tamanho, o formato e o material da varinha podem variar. A madeira pode ser de qualquer tipo. Alguns bruxos preferem usar a sorveira-brava, o salgueiro, o freixo ou a castanheira, mas a varinha também pode ser feita de carvalho, pinheiro, nogueira, ébano ou qualquer outra madeira. Muitos bruxos simplesmente compram um pedaço de madeira numa loja de material de construção. Porém com tantos parques, praças e ruas para quê comprar. O ideal seria que o próprio Bruxo cortasse um galho de árvore para fazer a sua varinha, ou melhor, pegar os galhos caídos no chão ou cortar de árvores caídas ou mortas, embora isso nem sempre seja possível.

Se a pessoa cortar um galho de uma árvore viva, antes pedir permissão a ela e explique para que usará o galho. Deixe algo em troca. No caso de parques públicos certificar se pode cortar.

Nos antigos, a varinha media em torno de 55 centímetro ou a distância entre o cotovelo e a ponta do dedo médio. Essas dimensões estão de acordo com vários grimoires sobre a magia cerimonial. Mas, como em tudo que se refere à magia a decisão é da pessoa. Neste caso, a pessoa deverá por sua energia no objeto, seja entalhando-o, tingindo-o, pintando-o, decorando-o ou esculpindo-o.

Existe também um instrumento conhecido como varinha de Príapo (Príapo, Deus grego da fertilidade, filho de Dionísio e Afrodite) e sua “verdadeira” forma é de uma varinha com a extremidade esculpida como se fosse um falo, ou em vez de talhar um falo, talhar uma pinha ou ainda amarrar uma pinha de verdade ali, como uma representação simbólica do falo.

7. A Vassoura Mágica

A Vassoura não é um instrumento Mágico, mas também um símbolo fálico e de união entre os princípios masculinos e femininos.

A Vassoura é um símbolo de poderia feminino, por isso somente as Bruxas fazem uso desta em Rituais e cerimônias, mas todos podem ter uma Vassoura Mágica para rebater as energias negativas, colocando-a atrás da porta de entrada.

A Vassoura é utilizada em ritos de purificação e é parente do Bastão. É como uma casa ser consagrada com ela.

As Vassouras devem ser feitas pelos próprios donos e sua fabricação é simples, basta um cabo de vassoura comum, vários galhos secos de uma planta e um barbante para amarrar os galhos de uma planta em volta de uns das extremidades do cabo.

A escolha da planta a ser utilizada fica a critério, porém as opções mais utilizadas são:

a) Manjericão: árvore símbolo da Deusa;

b) Bétula: árvore do nascimento e renascimento;

c) Aveleira: representa o elemento fogo, a fertilização, os poderes adivinhatórios e o conhecimento;

d) Teixo: árvore da morte e da reencarnação. Não é recomendável por ser venenosa.

e) Artemísia: mantém as energias negativas afastadas; e,

f) Sabugueiro: símbolo da Lua.

Em alguns rituais a Vassoura é utilizada para varrer o Círculo Mágico, a casa ou um ambiente carregado de influências negativas. Mas não se deve tocar o chão, apenas no ar, visualizando-se a limpeza energética do local. Além de proteger a casa do mal quando colocada atrás da porta de entrada de ponta-cabeça.

Acredita-se que varrer uma casa nova com uma vassoura velha trará fortuna. Fazer um desejo quando uma vassoura é utilizada pela primeira vez causa a realização deste.

Se uma vassoura cair enquanto se varre, se faz um pedido antes de pega-la. E quando se quer casar se pula 9 vezes e em um ano o desejo se torna realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário